18 maio, 2009

Quando temos que dizer Adeus..



Hoje é um daqueles dias que não dá pra esquecer, mesmo que a gente faça muita força. Mas, infelizmente não é porque algo feliz aconteceu, muito pelo contrário. Já estávamos orando há algumas semanas pela vida de uma amiga que estudou conosco no CTM desde o ano passado, Cryslaine. De uns tempos pra cá, ela teve algumas dificuldades de saúde, que se tornaram mais difíceis porque ela era portadora de diabetes.

Orávamos, crendo que Deus a curaria. Algumas amigas já estavam fazendo cartazes, esperando sua volta. Mas ela não voltou. E nem poderá voltar.

Até agora, não havia entendido o que aconteceu durante toda essa noite comigo, mas enquanto escrevia e pedia a Deus pra me explicar, passei a entender.

Acordei comigo mesmo orando, uma batalha espiritual em sonhos, que também estava acontecendo no mundo físico. Deus me dava autoridade, mesmo que sentindo opressão, durante todo o sono. Enfim, quando essa opressão finalmente acabou, eu senti paz em meu coração (uma sensação de fim de filme, quando, após a guerra, chegam tempos de paz).

Nesse mesmo lugar, onde houvera opressão, haviam várias pessoas felizes, com roupas claras, e eu estava entre elas, elas festejavam minha vitória. Um amigo meu, a quem amo muito, veio até mim e me abraçou com muito amor, dizendo que me amava e eu pedia perdão a ele, era um ambiente de paz, alegria e reconciliação.

Após isso, com uma amiga (que não lembro quem é) subi por um caminho, e esse caminho era um lindo jardim - o jardim dos sonhos - onde ninguém sentia vergonha. Creio que é em um lugar assim que a Crys está agora. Ela venceu a dor e a opressão, mas após isso, pôde sentir paz, e agora, descansa, ao lado de seu Amado. O céu festeja sua vitória porque ela combateu o bom combate, completou a carreira e guardou a fé.

Após sentir essa paz, acordei com o toque do telefone de um grande amigo dela, que é do mesmo quarto que eu, recebendo a notícia de que a Cryslaine partiu para junto do Senhor... para sempre, em um lugar onde ninguém pode fazê-la mal, acho que um lugar como o dos meus sonhos. A certeza que temos, é de que, um dia, em breve, nos reencontraremos com ela, ao lado de Jesus, e ela nos contará como é tamanha glória, de descansar nos braços do Pai.

Oramos por Sua família, pra que estejam abertos para o consolo do Maior Consolador: O Espírito Santo de Deus. E agradecemos ao Senhor por dar-nos o privilégio de ter conhecido a Cris e de fazer parte de sua história.

P.S.: Nunca esquecerei de quando estava lavando roupas com o rádio alto e ela chegou da janelinha da lavanderia sorrindo, e falou: “Tinha que ser você! Ouvindo música boa... só você mesmo!”. Ela pediu o CD emprestado, porém não tive tempo de emprestar. Mas fico confortado, pois sei que, onde ela está agora, está ouvindo música muito melhor do que as que eu ouço aqui.

Te amamos, Crys.


Um comentário:

Rafael disse...

é meu amigo em momentos assim é que nós podemos ser intersessores por uma familia que agora sofre com essa perda, mais mesmu diante da morte nós podemos adorar, mesmo sem entender podemos confiar no amor do nosso Deus